Pular para o conteúdo principal

CARNAVAL EM BH

Em 2012, decidi que era um bom momento para conhecer Belo Horizonte. Já havia passado pela capital mineira em outro momento para participar do evento Carnaval Revolução, que reunia grupos e movimentos ativistas para conversas, oficinas, mostras e diversão.
Carnaval Revolução
Fiquei os dias do carnaval, em 2006, rodeada de pessoas dispostas, amigos de longa data e reuniões itinerantes (sim, mudávamos sempre os locais das reuniões, às vezes, quando muito exaustantes, íamos para o bar, já que o evento proibia bebidas alcóolicas). A viagem de ida foi de 20h de estrada em caminhões (fui de carona com um amigo) e a de volta de 12 a 14h, somente carro (com outro amigo, também praticando hitchhiking). Infelizmente, não tive a oportunidade de conhecer a cidade naquela ocasião, embora tenha sido muito proveitosa a imersão.

Seis anos depois, retornei à BH com curiosidade de conhecer um pouco mais a respeito da fama do pão de queijo (não tive sorte, os que comi não foram tão bons quanto os goianos) e de passear por Inhotim, um instituto de arte e botânica gigantesco que fica em Brumadinho, muito próximo de BH. A entrada não é cara, mas leve uma garrafa de água, pois lá dentro tudo que pode ser digerido é extremamente caro.

Inhotim

Em BH, me hospedei no Hostel Chalé Mineiro, no bairro Santa Efigênia, perto do metrô e do bairro Santa Tereza. Estando acomodada, fui à busca de comida, sou vegetariana e já havia pesquisado no site gato-negro.org a respeito de algumas opções veganas/vegetarianas na região. Algumas refeições foram feitas no "Bolão, o rei do macarrão", por estar quase sempre aberto, servir chopp, cachaça e não ser caro.

Nesta região, encontrava muitos foliões e alguns shows por onde andava, o carnaval mostrou-se muito diversificado e ativo (ao contrário de Goiânia). O sotaque goiano é extremamente similar ao mineiro. O uai daqui é, também, o uai de lá! Aliás, uai é nome de tudo, loja, departamento, etc.

No dia seguinte, caminhei pelas ladeiras da cidade e encontrei vários blocos de carnaval e vários carros da polícia escoltando-os (e alguns confrontos entre eles). Parei em um boteco e o assédio de moradores de rua foi inevitável. O fato curioso é que os donos do bar não interviam, o que geralmente acontece em Goiânia quando moradores de rua aporrinham clientes. Geralmente, não tenho receio em relação às pessoas que chegam às mesas fazendo algum pedido, mas, naquele caso, fiquei perturbada.

Aproveitei um dia para visitar o Mercado Central em busca de cachaças de boa qualidade, que não são encontradas tão facilmente em Goiânia. O preço é bastante variável, mas bem mais em conta que aqui no centro-oeste. O Mercado de BH tem um corredor povoado de passarinhos em gaiolas, que deixa o passeio muito angustiante, mas o resto do ambiente é aconchegante.

Ainda espero retornar à Minas Gerais para provar um pão de queijo de vó que faça jus à fama. Também falta conhecer o interior do estado, que é impossível ir tranquilamente na época carnavalesca, pois é muito tumultuado.

Ah, devo dizer, gostei demais de Belo Horizonte!


Carnaval em BH

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A revolução vai acontecer na periferia - histórias e experiências do CCS em Vila Isabel

Apresento a vocês o vídeo "Histórias do Centro de Cultura Social - Vila Isabel (RJ)". Esse vídeo é uma edição de entrevistas realizadas para escrever o artigo de final de curso "A revolução vai acontecer na periferia - histórias e experiências do CCS em Vila Isabel", apresentado ao professor Henrique Cukierman, na disciplina de "Tópicos Especiais em Ciência-Tecnologia-Sociedade", do Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e Técnicas e Epistemologia.

Não sou profissional em edição ou gravação de vídeos, por isso peço que relevem a qualidade dos cortes e das gravações desfocadas.

As músicas foram baixadas pela internet e estão disponíveis pelos próprios criadores das mesmas:
FAQ (hip hop instrumental mix) - SoUnDWaVeS
Salva a humanidade - Tom Zé

Entrevistas:
Davi Rodrigues
Maurilio Rodrigues
Beatrice Catarine

Observação: a propaganda que aparece no vídeo é enviada pela gravadora do Tom Zé, porque utilizo um trecho de uma de suas músicas. Não monetizo em …

discussões da sociologia e psicologia #resumo

No centro destes capítulos estão:

Lazarsfeld (sociologia)
Lewin (psicologia)

Seguindo os ânimos do capítulo anterior, senti que Heims continuou mostrando sua posição política nestes últimos capítulo - sutilmente. Ao iniciar o capítulo 8 com a frase "cybernetic ideas can be applied in the most diverse ideological context" ele anuncia o que está por vir.

Os dois capítulos, assim como os anteriores, são separados por grupos de elite, que geralmente variam com temas focados em dois participantes com outros como satélites.

No primeiro (8), temos um panorama geral das situações políticas nos Estados Unidos, os esforços, já anunciados, de intervenção governamentas dentro da produção acadêmica, levando, em alguns casos, à paralização da atividade acadêmica. Enquanto os encontro Macy não se abriam para as pessoas que pesquisam em torno de soluções para os problemas sociais relacionados ao racismo, ao anticomunismo, entre outros, houve uma discreta migração de pesquisadores que inco…

Repair, Dhaka, Kavango, Paraguai #resumo

Ao som de PJ Harvey.


Textos:
Designing for Repair? Infrasctructures and Materialities of Breakdown 
Daniela K. Rosner, Morgan G. Ames

Learning, Innovation, and Sustainability among Mobile Phone Repairers in Dhaka, Bangladesh
Steven J. Jackson, Syed Ishtiaque Ahmed, Md. Rashidujjman Rifat

Repair Worlds: Maintenance, Repair, and ICT for Development in Rural Namibia
Steven J. Jackson, Alex Pompe, Gabriel Krieshok

As experiências de Dhaka, Kavango e Paraguai têm elementos comuns e heterogêneos - são espaços permeados por uma historicidade colonizada, marca por tecnologias e economias desfavoráveis quando comparadas aos Estados Unidos. Essa distinção ficou mais marcada nestes textos, que também pareceram ter uma preocupação maior em pensar os artefatos sociotécnicos, as culturas, mundos sociais e formação de fronteiras. Em algum momento, o conhecimento tecnológico também aparece como um espaço de privilégio.

É interessante pensar esse espaço de privilégio mesmo quando as pessoas ret…