Pular para o conteúdo principal

SOBRE FAZER FEIRA E OUTRAS COMPRAS #consumosustentável

Terça-feira é dia de feira no bairro onde eu moro, é onde, geralmente, faço as compras semanais. Deixo apenas as coisas que são estritamente industriais e que não tenho tempo ou conhecimento para produzir em minha casa para comprar em super ou hipermercados. Nas feiras, compro todo o restante, que, em suma, compõe 80% da minha alimentação. 


Tenho pensado que valorizar o comércio local é algo primordial para a transformação das relações econômicas e trabalhistas da nossa cidade, estado e país. Sim, chega ao nível federal. Conheço várias pessoas, por exemplo, que compram inúmeras coisas em sites Made in China, porque o preço é infinitamente mais barato e tem uma qualidade equivalente à vários produtos nacionais.  No entanto, se observarmos com cautela, percebemos que as relações que envolvem esses produtos podem estar ligadas ao consumo exacerbado de matéria-prima, condições de trabalho degradantes ou, até mesmo, escravas, procedimentos ilegais, entre outros horríveis fatores.

Considerando todos esses aspectos, tenho procurado utilizar de um consumo sustentável. Isso, no que se refere às roupas, equipamentos, sapatos e alimentação. A feira é uma ótima ferramenta para a alimentação - visto que, geralmente, e seguindo algumas legislações municipais, os produtos vendidos na feira têm que ser produzidos localmente. Nas roupas e sapatos é possível encontrar marcas e lojas regionais, com roupas interessantes e compõe o estilo de cada pessoa. Para o meu gosto, tenho procurado o mercado goiano, mas, também, me apego também ao carioca e, busco fugir das roupas internacionais, Made in China/Malásia e outros países com conhecida exploração trabalhista (tenho algumas, sim, não joguei fora, mas, o futuro somos nós que fazemos).

Além disso, dou preferência aos cosméticos livres da crueldade animal. Ainda utilizo algumas marcas que tinha e que não são livres da crueldade animal, e, estou com certa dificuldade para encontrar as que seguem as regulações para tal procedimento. Utilizava, por exemplo, a Yves Rocher, mas desde que ela passou a comercializar para a China, saiu do ranking #crueltyfree, pois todos os produtos vendidos em território chinês, obrigatoriamente, têm que passar por testes animais. Bizarro, né? Então tudo comprado na China não é livre de crueldade animal.

A parte desses fatores, valorizar o comércio local é valorizar o trabalhador(a). É importante revisarmos sempre os nossos hábitos, porque é através deles que transformamos as relações interpessoais, pessoais, sociais, culturais e todas as outras "ais" que nos rodeiam. Esse textinho aqui é bem interessante a respeito da valorização do comércio local.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A revolução vai acontecer na periferia - histórias e experiências do CCS em Vila Isabel

Apresento a vocês o vídeo "Histórias do Centro de Cultura Social - Vila Isabel (RJ)". Esse vídeo é uma edição de entrevistas realizadas para escrever o artigo de final de curso "A revolução vai acontecer na periferia - histórias e experiências do CCS em Vila Isabel", apresentado ao professor Henrique Cukierman, na disciplina de "Tópicos Especiais em Ciência-Tecnologia-Sociedade", do Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e Técnicas e Epistemologia.

Não sou profissional em edição ou gravação de vídeos, por isso peço que relevem a qualidade dos cortes e das gravações desfocadas.

As músicas foram baixadas pela internet e estão disponíveis pelos próprios criadores das mesmas:
FAQ (hip hop instrumental mix) - SoUnDWaVeS
Salva a humanidade - Tom Zé

Entrevistas:
Davi Rodrigues
Maurilio Rodrigues
Beatrice Catarine

Observação: a propaganda que aparece no vídeo é enviada pela gravadora do Tom Zé, porque utilizo um trecho de uma de suas músicas. Não monetizo em …

The Cybernetics Group - #resumo

Não foi fácil encontrar imagens de Heims, inclusive, esta foi a única que encontrei. As informações pessoais também vieram de apenas dois websites, que estão linkadas nesta apresentação. De acordo com a KeyWiki, Heims fugiu da Alemanha nazista para os Estados Unidos, onde conheceu sua esposa com a qual teve uma filha, a jornalista Leila McDowell-Head que, apoiada pelo seu pai, fez parte do Partido dos Pantera Negra. Segundo Wikipedia, os Pantera Negra tinha como finalidade original da organização era patrulhar guetos negros para proteger os residentes dos atos de brutalidade da polícia. Posteriormente, os Panteras Negras tornaram-se um grupo revolucionário marxista que defendia o armamento de todos os negros, a isenção dos negros de pagamento de impostos e de todas as sanções da chamada "América Branca", a libertação de todos os negros da cadeia e o pagamento de indenizações aos negros por "séculos de exploração branca". A ala mais radical do movimento defendia a …

Repair, Dhaka, Kavango, Paraguai #resumo

Ao som de PJ Harvey.


Textos:
Designing for Repair? Infrasctructures and Materialities of Breakdown 
Daniela K. Rosner, Morgan G. Ames

Learning, Innovation, and Sustainability among Mobile Phone Repairers in Dhaka, Bangladesh
Steven J. Jackson, Syed Ishtiaque Ahmed, Md. Rashidujjman Rifat

Repair Worlds: Maintenance, Repair, and ICT for Development in Rural Namibia
Steven J. Jackson, Alex Pompe, Gabriel Krieshok

As experiências de Dhaka, Kavango e Paraguai têm elementos comuns e heterogêneos - são espaços permeados por uma historicidade colonizada, marca por tecnologias e economias desfavoráveis quando comparadas aos Estados Unidos. Essa distinção ficou mais marcada nestes textos, que também pareceram ter uma preocupação maior em pensar os artefatos sociotécnicos, as culturas, mundos sociais e formação de fronteiras. Em algum momento, o conhecimento tecnológico também aparece como um espaço de privilégio.

É interessante pensar esse espaço de privilégio mesmo quando as pessoas ret…