Pular para o conteúdo principal

SOBRE FAZER FEIRA E OUTRAS COMPRAS #consumosustentável

Terça-feira é dia de feira no bairro onde eu moro, é onde, geralmente, faço as compras semanais. Deixo apenas as coisas que são estritamente industriais e que não tenho tempo ou conhecimento para produzir em minha casa para comprar em super ou hipermercados. Nas feiras, compro todo o restante, que, em suma, compõe 80% da minha alimentação. 


Tenho pensado que valorizar o comércio local é algo primordial para a transformação das relações econômicas e trabalhistas da nossa cidade, estado e país. Sim, chega ao nível federal. Conheço várias pessoas, por exemplo, que compram inúmeras coisas em sites Made in China, porque o preço é infinitamente mais barato e tem uma qualidade equivalente à vários produtos nacionais.  No entanto, se observarmos com cautela, percebemos que as relações que envolvem esses produtos podem estar ligadas ao consumo exacerbado de matéria-prima, condições de trabalho degradantes ou, até mesmo, escravas, procedimentos ilegais, entre outros horríveis fatores.

Considerando todos esses aspectos, tenho procurado utilizar de um consumo sustentável. Isso, no que se refere às roupas, equipamentos, sapatos e alimentação. A feira é uma ótima ferramenta para a alimentação - visto que, geralmente, e seguindo algumas legislações municipais, os produtos vendidos na feira têm que ser produzidos localmente. Nas roupas e sapatos é possível encontrar marcas e lojas regionais, com roupas interessantes e compõe o estilo de cada pessoa. Para o meu gosto, tenho procurado o mercado goiano, mas, também, me apego também ao carioca e, busco fugir das roupas internacionais, Made in China/Malásia e outros países com conhecida exploração trabalhista (tenho algumas, sim, não joguei fora, mas, o futuro somos nós que fazemos).

Além disso, dou preferência aos cosméticos livres da crueldade animal. Ainda utilizo algumas marcas que tinha e que não são livres da crueldade animal, e, estou com certa dificuldade para encontrar as que seguem as regulações para tal procedimento. Utilizava, por exemplo, a Yves Rocher, mas desde que ela passou a comercializar para a China, saiu do ranking #crueltyfree, pois todos os produtos vendidos em território chinês, obrigatoriamente, têm que passar por testes animais. Bizarro, né? Então tudo comprado na China não é livre de crueldade animal.

A parte desses fatores, valorizar o comércio local é valorizar o trabalhador(a). É importante revisarmos sempre os nossos hábitos, porque é através deles que transformamos as relações interpessoais, pessoais, sociais, culturais e todas as outras "ais" que nos rodeiam. Esse textinho aqui é bem interessante a respeito da valorização do comércio local.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os primeiros computadores de Harvard eram mulheres #tradução

Minha [grosseira] tradução do seguinte texto:  Harvard's first computers were women . Muito antes do Mark I chegar no campus da Ivy League, era assim que o primeiro laboratório de computadores de Harvard se parecia: Chamar esse grupo de mulheres brilhantes de analíticas "computadoras" é muito mais amável do que o seu apelido de outrora, Harem de Pickering . O apelido de mau gosto refletia a embaçada consideração pelo intelecto feminino que ecoava entre os líderes da universidade. Em um discurso de 1869, o presidente da Harvard, Charles W. Eliot, reconheceu: "o mundo sabe quase nada sobre as capacidades mentais naturais do sexo feminino". Mas em 1881, o astronômo Charles Edward Pickering estava cheio/atolado com dados astronômicos coletados através de observações de telescópio assim como das modernas astrofotografias e viu as "naturais capacidades mentais" das mulheres como a solução. Pickering, então, contratou sua governanta Williamina F

Repair, Value, Breakdown, Obsolescence and Reuse

Valores no Reparo Lara Houston Steven J. Jackson Daniel K. Rosner Syed Ishtiaque Ahmed Meg Young Laewoo Kange Para continuar falando de reparo, este texto trata de demonstrar quatro exemplos práticos de grupos que trabalham diretamente com reparos de tecnologias, como celulares. A ideia, no entanto, de discutir valores, é enaltecida com o interesse de trabalhar com " the forms and processes of value grounded in the ongoing work of fixing and maintaining the objects and systems around us ". Eles estão ligados às infraestruturas que rodeiam as tecnologias e os seres humanos, sendo muitas vezes referenciados como "interação humano-computador". Essas interações carregam profundas consequências sociais sobre a distribuição de poder, conhecimento e autoridade nas ordens sociais mediadas. Com exemplos que passam pelos Estados Unidos, Bangladesh e Uganda, os autores mostram como os sistemas de valores nas produções industriais e, também, na formação de conheciment

Repair, Dhaka, Kavango, Paraguai #resumo

Ao som de PJ Harvey. Textos: Designing for Repair? Infrasctructures and Materialities of Breakdown  Daniela K. Rosner, Morgan G. Ames Learning, Innovation, and Sustainability among Mobile Phone Repairers in Dhaka, Bangladesh Steven J. Jackson, Syed Ishtiaque Ahmed, Md. Rashidujjman Rifat Repair Worlds: Maintenance, Repair, and ICT for Development in Rural Namibia Steven J. Jackson, Alex Pompe, Gabriel Krieshok As experiências de Dhaka, Kavango e Paraguai têm elementos comuns e heterogêneos - são espaços permeados por uma historicidade colonizada, marca por tecnologias e economias desfavoráveis quando comparadas aos Estados Unidos. Essa distinção ficou mais marcada nestes textos, que também pareceram ter uma preocupação maior em pensar os artefatos sociotécnicos, as culturas, mundos sociais e formação de fronteiras. Em algum momento, o conhecimento tecnológico também aparece como um espaço de privilégio. É interessante pensar esse espaço de privilégio mesmo quan