Pular para o conteúdo principal

COMO ESCOLHER MÉDICOS NO TEMPO DA INTERNET #ficadica

Há alguns anos, quando precisava ir a médicos, pedia para minha mãe marcar para mim: dentistas, ginecologistas, cardiologistas, clínicos gerais, etc. A escolha quase sempre não era das melhores. Então, o tempo passou e eu passei a pagar meu próprio seguro saúde e marcar minhas consultas. Errei muito, mas aprendi a acertar.

Acredito que o primeiro passo é perguntar a alguém se conhece um bom médico ou médica na especialidade que você deseja, enfatize o bom e defina suas prioridades na questão de pontualidade, atenção, diagnóstico correto, por exemplo. Muitas vezes ninguém conhece, algumas outras, com sorte, é possível conseguir um profissional da saúde que não te faça esperar horas, atenda com atenção e examine seu problema.


Minha pior experiência foi depois de passar por cinco médicos com uma rinite e crise alérgica que não passava e, que, por conta dela desfrutei algumas madrugadas em emergências, com injeções e soros recheados de corticóides. Então passei a procurar indicações nas próximas empreitadas, não com amigos ou amigas, mas com a internet. Hoje não é muito difícil conseguir dicas, mas é bom ficar atenta para saber a especialização.

Há sites na internet que permitem que os médicos sejam avaliados pelos pacientes, como o doctoralia. Os critérios se baseiam em 1. pontualidade, 2. atenção e, 3. instalações. No final há pontuação/avaliação geral. Além disso, há possibilidade de comentários, geralmente, quem avalia também faz um comentário. Além disso, para fazer a avaliação é preciso inserir dados pessoais intransferíveis e, então, é possível confiar nas indicações.

O médico/a também pode inserir suas experiências e especialidades, para facilitar possíveis pacientes em sua busca. Posso afirmar, com certeza, que depois de usar estes sites, a busca por médicos de qualidade ficou muito mais fácil e não me desapontei mais em longas esperas ou com médicos que recebem por cinco segundos e nem mesmo avaliam antes de passar uma tonelada de remédios e diagnósticos errados.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os primeiros computadores de Harvard eram mulheres #tradução

Minha [grosseira] tradução do seguinte texto:  Harvard's first computers were women . Muito antes do Mark I chegar no campus da Ivy League, era assim que o primeiro laboratório de computadores de Harvard se parecia: Chamar esse grupo de mulheres brilhantes de analíticas "computadoras" é muito mais amável do que o seu apelido de outrora, Harem de Pickering . O apelido de mau gosto refletia a embaçada consideração pelo intelecto feminino que ecoava entre os líderes da universidade. Em um discurso de 1869, o presidente da Harvard, Charles W. Eliot, reconheceu: "o mundo sabe quase nada sobre as capacidades mentais naturais do sexo feminino". Mas em 1881, o astronômo Charles Edward Pickering estava cheio/atolado com dados astronômicos coletados através de observações de telescópio assim como das modernas astrofotografias e viu as "naturais capacidades mentais" das mulheres como a solução. Pickering, então, contratou sua governanta Williamina F

Repair, Dhaka, Kavango, Paraguai #resumo

Ao som de PJ Harvey. Textos: Designing for Repair? Infrasctructures and Materialities of Breakdown  Daniela K. Rosner, Morgan G. Ames Learning, Innovation, and Sustainability among Mobile Phone Repairers in Dhaka, Bangladesh Steven J. Jackson, Syed Ishtiaque Ahmed, Md. Rashidujjman Rifat Repair Worlds: Maintenance, Repair, and ICT for Development in Rural Namibia Steven J. Jackson, Alex Pompe, Gabriel Krieshok As experiências de Dhaka, Kavango e Paraguai têm elementos comuns e heterogêneos - são espaços permeados por uma historicidade colonizada, marca por tecnologias e economias desfavoráveis quando comparadas aos Estados Unidos. Essa distinção ficou mais marcada nestes textos, que também pareceram ter uma preocupação maior em pensar os artefatos sociotécnicos, as culturas, mundos sociais e formação de fronteiras. Em algum momento, o conhecimento tecnológico também aparece como um espaço de privilégio. É interessante pensar esse espaço de privilégio mesmo quan

Parceria entre Mozilla e ONU Mulheres para empoderamento feminino digital

Uma parceria da Mozilla com a ONU para empoderar mulheres em questões digitais na África está sendo desenvolvida. O projeto procura promover esse empoderamento para diminuir as desigualdades de gênero e geográficas, acreditando que a web é um espaço propício para grande oportunidades, especialmente, na promoção de igualdade. O projeto, que já passou pela Índia, Indonésia e Brasil, deve corre até o fim de 2016, como segue no trecho do texto traduzido diretamente deste website . Tradução/Translation A internet é mais poderosa quando qualquer pessoa - independente do gênero ou geografia - pode participar igualmente. Uma web verdadeiramente aberta deve abrir oportunidades educacionais, econômicas e cívicas para todas as pessoas, em todos os lugares. Motivados por essa crença principal, Mozilla e ONU Mulheres - uma entidade das Nações Unidas dedicada ao empoderamento de mulheres estão se juntando para ensinar habilidades digitais para garotas e mulheres em Nairobi, Kênia e Cape Town, n