Pular para o conteúdo principal

Escolha bem o que pensar!

Das coisas que venho lendo, muitas me surpreendem. Algumas passam mensagens que fogem ao objetivo inicial do texto e, por isso, é claro, tudo depende dos olhos de quem lê.

Nos devaneios caminhantes, tenho me focado no livro "Corpo e alma: etnografia de um aprendiz de boxe" de Loïc Wacquant. Já havia lido fragmentos na graduação e no mestrado, e me admirava com a maneira simples de escrever deste autor, que captura a leitora numa sentada só - a despeito dos afazeres do dia.

Por se tratar de uma etnografia, Wacquant vai narrando sua trajetória numa academia de boxe (de um gueto de um bairro negro de Chicago) nos mínimos detalhes: desde como chegou ao bairro, à academia (gym), ao seu inesperado envolvimento com o boxe, que o chegou a questionar, até mesmo, sua vida de pesquisador.

Nas paredes do gym mensagens positivas de discursos cheios de emoção para motivar os jovens aspirantes ao pugilismo ocupavam todos os lugares, juntamento com as fotografias de grandes astros, como Mike Tyson, saídos de bairros pobres. Acabei por lembrar da onda fitness que invadiu a internet nos últimos dois anos, suas mensagens de auto-ajuda, muitas vezes baseadas em filósofos, que, em sua existência, não tinham nada a ver com isso. Mesmo assim, parece que para cumprir um objetivo, especialmente, aquele focado na disciplina corporal, uma característica  a pessoa deve ter: o domínio da mente.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os primeiros computadores de Harvard eram mulheres #tradução

Minha [grosseira] tradução do seguinte texto:  Harvard's first computers were women . Muito antes do Mark I chegar no campus da Ivy League, era assim que o primeiro laboratório de computadores de Harvard se parecia: Chamar esse grupo de mulheres brilhantes de analíticas "computadoras" é muito mais amável do que o seu apelido de outrora, Harem de Pickering . O apelido de mau gosto refletia a embaçada consideração pelo intelecto feminino que ecoava entre os líderes da universidade. Em um discurso de 1869, o presidente da Harvard, Charles W. Eliot, reconheceu: "o mundo sabe quase nada sobre as capacidades mentais naturais do sexo feminino". Mas em 1881, o astronômo Charles Edward Pickering estava cheio/atolado com dados astronômicos coletados através de observações de telescópio assim como das modernas astrofotografias e viu as "naturais capacidades mentais" das mulheres como a solução. Pickering, então, contratou sua governanta Williamina F

Repair, Value, Breakdown, Obsolescence and Reuse

Valores no Reparo Lara Houston Steven J. Jackson Daniel K. Rosner Syed Ishtiaque Ahmed Meg Young Laewoo Kange Para continuar falando de reparo, este texto trata de demonstrar quatro exemplos práticos de grupos que trabalham diretamente com reparos de tecnologias, como celulares. A ideia, no entanto, de discutir valores, é enaltecida com o interesse de trabalhar com " the forms and processes of value grounded in the ongoing work of fixing and maintaining the objects and systems around us ". Eles estão ligados às infraestruturas que rodeiam as tecnologias e os seres humanos, sendo muitas vezes referenciados como "interação humano-computador". Essas interações carregam profundas consequências sociais sobre a distribuição de poder, conhecimento e autoridade nas ordens sociais mediadas. Com exemplos que passam pelos Estados Unidos, Bangladesh e Uganda, os autores mostram como os sistemas de valores nas produções industriais e, também, na formação de conheciment

Repair, Dhaka, Kavango, Paraguai #resumo

Ao som de PJ Harvey. Textos: Designing for Repair? Infrasctructures and Materialities of Breakdown  Daniela K. Rosner, Morgan G. Ames Learning, Innovation, and Sustainability among Mobile Phone Repairers in Dhaka, Bangladesh Steven J. Jackson, Syed Ishtiaque Ahmed, Md. Rashidujjman Rifat Repair Worlds: Maintenance, Repair, and ICT for Development in Rural Namibia Steven J. Jackson, Alex Pompe, Gabriel Krieshok As experiências de Dhaka, Kavango e Paraguai têm elementos comuns e heterogêneos - são espaços permeados por uma historicidade colonizada, marca por tecnologias e economias desfavoráveis quando comparadas aos Estados Unidos. Essa distinção ficou mais marcada nestes textos, que também pareceram ter uma preocupação maior em pensar os artefatos sociotécnicos, as culturas, mundos sociais e formação de fronteiras. Em algum momento, o conhecimento tecnológico também aparece como um espaço de privilégio. É interessante pensar esse espaço de privilégio mesmo quan