Pular para o conteúdo principal

BICICLETADA #mobilidade

A questão da mobilidade vem sendo abordada em muitas cidades brasileiras. Quando estive, recentemente, em Buenos Aires, notei que por onde passei haviam faixas exclusivas para bicicletas. Às vezes ciclofaixas, às vezes ciclovias. A diferença formal da ciclofaixa para a ciclovia é pequena, mas creio que em questões de segurança seja algo a se levar em conta.

A ciclofaixa é apenas uma faixa da rua que é reservada aos pedaleiros, dividida apenas por uma pintura no chão. Já a ciclovia separa o espaço do ciclista através de barreiras mais efetivas, como um "meio fio". Em questões de segurança, clicovia é realmente mais interessante, tanto para impedir acidentes com carros quanto para impedir o avanço de motociclistas no espaço reservado às bicicletas.

Estranho é pensar que há pessoas que são contra tanto as ciclofaixas como as ciclovias. No entanto, o debate não para de crescer. Uma pesquisa realizada pelo Datafolha registrou que, no Distrito Federal, 67% das pessoas aprovam ciclovias, apenas 8% reprovam, os demais acham a ideia regular ou não souberam responder. Já em São Paulo, Haddad encaminha um plano para ampliar o número de ciclovias na cidade, para chegar ao número de 400 km até o fim do governo.

Em Goiânia, o projeto de implementação de ciclovias/ciclofaixas está parado há algum tempo. O Plano Diretor da cidade, em 2007, previa a construção de pelo menos 162 km do espaço reservado aos pedaleiros, mas, em 2012, apenas 8% havia saído do papel, ligando uma pequena avenida a ela mesma (contraditório?) no meio de uma praça no Setor Universitário. Em 2012, a Universidade Federal de Goiás, em parceria com a prefeitura da capital, lançou um projeto de construção de ciclovias que ligariam o Campus Samambaia, na Zona Norte da cidade, ao Campus Universitário, região central. Até o momento, o projeto não teve conclusão.

Em decorrência dos problemas de trânsito, mortes e acidentes que envolvem ciclistas, pedaladas são realizadas rotineiramente na cidade goiana. Confira a agenda:

29 de agosto de 2014: Massa Crítica/Bicicletada.
07 de setembro de 2014 #PedalPelosParques, saida 8h, Pq. Areião
21 de setembro de 2014 #PedalDoDiaMundialSemCarro (a confirmar em breve)
28 de setembro de 2014 #PedalPelosParques, saida 8h, Pq. Areião

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A revolução vai acontecer na periferia - histórias e experiências do CCS em Vila Isabel

Apresento a vocês o vídeo "Histórias do Centro de Cultura Social - Vila Isabel (RJ)". Esse vídeo é uma edição de entrevistas realizadas para escrever o artigo de final de curso "A revolução vai acontecer na periferia - histórias e experiências do CCS em Vila Isabel", apresentado ao professor Henrique Cukierman, na disciplina de "Tópicos Especiais em Ciência-Tecnologia-Sociedade", do Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e Técnicas e Epistemologia.

Não sou profissional em edição ou gravação de vídeos, por isso peço que relevem a qualidade dos cortes e das gravações desfocadas.

As músicas foram baixadas pela internet e estão disponíveis pelos próprios criadores das mesmas:
FAQ (hip hop instrumental mix) - SoUnDWaVeS
Salva a humanidade - Tom Zé

Entrevistas:
Davi Rodrigues
Maurilio Rodrigues
Beatrice Catarine

Observação: a propaganda que aparece no vídeo é enviada pela gravadora do Tom Zé, porque utilizo um trecho de uma de suas músicas. Não monetizo em …

discussões da sociologia e psicologia #resumo

No centro destes capítulos estão:

Lazarsfeld (sociologia)
Lewin (psicologia)

Seguindo os ânimos do capítulo anterior, senti que Heims continuou mostrando sua posição política nestes últimos capítulo - sutilmente. Ao iniciar o capítulo 8 com a frase "cybernetic ideas can be applied in the most diverse ideological context" ele anuncia o que está por vir.

Os dois capítulos, assim como os anteriores, são separados por grupos de elite, que geralmente variam com temas focados em dois participantes com outros como satélites.

No primeiro (8), temos um panorama geral das situações políticas nos Estados Unidos, os esforços, já anunciados, de intervenção governamentas dentro da produção acadêmica, levando, em alguns casos, à paralização da atividade acadêmica. Enquanto os encontro Macy não se abriam para as pessoas que pesquisam em torno de soluções para os problemas sociais relacionados ao racismo, ao anticomunismo, entre outros, houve uma discreta migração de pesquisadores que inco…

Repair, Dhaka, Kavango, Paraguai #resumo

Ao som de PJ Harvey.


Textos:
Designing for Repair? Infrasctructures and Materialities of Breakdown 
Daniela K. Rosner, Morgan G. Ames

Learning, Innovation, and Sustainability among Mobile Phone Repairers in Dhaka, Bangladesh
Steven J. Jackson, Syed Ishtiaque Ahmed, Md. Rashidujjman Rifat

Repair Worlds: Maintenance, Repair, and ICT for Development in Rural Namibia
Steven J. Jackson, Alex Pompe, Gabriel Krieshok

As experiências de Dhaka, Kavango e Paraguai têm elementos comuns e heterogêneos - são espaços permeados por uma historicidade colonizada, marca por tecnologias e economias desfavoráveis quando comparadas aos Estados Unidos. Essa distinção ficou mais marcada nestes textos, que também pareceram ter uma preocupação maior em pensar os artefatos sociotécnicos, as culturas, mundos sociais e formação de fronteiras. Em algum momento, o conhecimento tecnológico também aparece como um espaço de privilégio.

É interessante pensar esse espaço de privilégio mesmo quando as pessoas ret…