Pular para o conteúdo principal

BICICLETADA #mobilidade

A questão da mobilidade vem sendo abordada em muitas cidades brasileiras. Quando estive, recentemente, em Buenos Aires, notei que por onde passei haviam faixas exclusivas para bicicletas. Às vezes ciclofaixas, às vezes ciclovias. A diferença formal da ciclofaixa para a ciclovia é pequena, mas creio que em questões de segurança seja algo a se levar em conta.

A ciclofaixa é apenas uma faixa da rua que é reservada aos pedaleiros, dividida apenas por uma pintura no chão. Já a ciclovia separa o espaço do ciclista através de barreiras mais efetivas, como um "meio fio". Em questões de segurança, clicovia é realmente mais interessante, tanto para impedir acidentes com carros quanto para impedir o avanço de motociclistas no espaço reservado às bicicletas.

Estranho é pensar que há pessoas que são contra tanto as ciclofaixas como as ciclovias. No entanto, o debate não para de crescer. Uma pesquisa realizada pelo Datafolha registrou que, no Distrito Federal, 67% das pessoas aprovam ciclovias, apenas 8% reprovam, os demais acham a ideia regular ou não souberam responder. Já em São Paulo, Haddad encaminha um plano para ampliar o número de ciclovias na cidade, para chegar ao número de 400 km até o fim do governo.

Em Goiânia, o projeto de implementação de ciclovias/ciclofaixas está parado há algum tempo. O Plano Diretor da cidade, em 2007, previa a construção de pelo menos 162 km do espaço reservado aos pedaleiros, mas, em 2012, apenas 8% havia saído do papel, ligando uma pequena avenida a ela mesma (contraditório?) no meio de uma praça no Setor Universitário. Em 2012, a Universidade Federal de Goiás, em parceria com a prefeitura da capital, lançou um projeto de construção de ciclovias que ligariam o Campus Samambaia, na Zona Norte da cidade, ao Campus Universitário, região central. Até o momento, o projeto não teve conclusão.

Em decorrência dos problemas de trânsito, mortes e acidentes que envolvem ciclistas, pedaladas são realizadas rotineiramente na cidade goiana. Confira a agenda:

29 de agosto de 2014: Massa Crítica/Bicicletada.
07 de setembro de 2014 #PedalPelosParques, saida 8h, Pq. Areião
21 de setembro de 2014 #PedalDoDiaMundialSemCarro (a confirmar em breve)
28 de setembro de 2014 #PedalPelosParques, saida 8h, Pq. Areião

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os primeiros computadores de Harvard eram mulheres #tradução

Minha [grosseira] tradução do seguinte texto:  Harvard's first computers were women . Muito antes do Mark I chegar no campus da Ivy League, era assim que o primeiro laboratório de computadores de Harvard se parecia: Chamar esse grupo de mulheres brilhantes de analíticas "computadoras" é muito mais amável do que o seu apelido de outrora, Harem de Pickering . O apelido de mau gosto refletia a embaçada consideração pelo intelecto feminino que ecoava entre os líderes da universidade. Em um discurso de 1869, o presidente da Harvard, Charles W. Eliot, reconheceu: "o mundo sabe quase nada sobre as capacidades mentais naturais do sexo feminino". Mas em 1881, o astronômo Charles Edward Pickering estava cheio/atolado com dados astronômicos coletados através de observações de telescópio assim como das modernas astrofotografias e viu as "naturais capacidades mentais" das mulheres como a solução. Pickering, então, contratou sua governanta Williamina F

Repair, Value, Breakdown, Obsolescence and Reuse

Valores no Reparo Lara Houston Steven J. Jackson Daniel K. Rosner Syed Ishtiaque Ahmed Meg Young Laewoo Kange Para continuar falando de reparo, este texto trata de demonstrar quatro exemplos práticos de grupos que trabalham diretamente com reparos de tecnologias, como celulares. A ideia, no entanto, de discutir valores, é enaltecida com o interesse de trabalhar com " the forms and processes of value grounded in the ongoing work of fixing and maintaining the objects and systems around us ". Eles estão ligados às infraestruturas que rodeiam as tecnologias e os seres humanos, sendo muitas vezes referenciados como "interação humano-computador". Essas interações carregam profundas consequências sociais sobre a distribuição de poder, conhecimento e autoridade nas ordens sociais mediadas. Com exemplos que passam pelos Estados Unidos, Bangladesh e Uganda, os autores mostram como os sistemas de valores nas produções industriais e, também, na formação de conheciment

Repair, Dhaka, Kavango, Paraguai #resumo

Ao som de PJ Harvey. Textos: Designing for Repair? Infrasctructures and Materialities of Breakdown  Daniela K. Rosner, Morgan G. Ames Learning, Innovation, and Sustainability among Mobile Phone Repairers in Dhaka, Bangladesh Steven J. Jackson, Syed Ishtiaque Ahmed, Md. Rashidujjman Rifat Repair Worlds: Maintenance, Repair, and ICT for Development in Rural Namibia Steven J. Jackson, Alex Pompe, Gabriel Krieshok As experiências de Dhaka, Kavango e Paraguai têm elementos comuns e heterogêneos - são espaços permeados por uma historicidade colonizada, marca por tecnologias e economias desfavoráveis quando comparadas aos Estados Unidos. Essa distinção ficou mais marcada nestes textos, que também pareceram ter uma preocupação maior em pensar os artefatos sociotécnicos, as culturas, mundos sociais e formação de fronteiras. Em algum momento, o conhecimento tecnológico também aparece como um espaço de privilégio. É interessante pensar esse espaço de privilégio mesmo quan