Pular para o conteúdo principal

CONSUMO SUSTENTÁVEL

Em tempos de consumo desenfreado, escolher o que se leva para casa pode ser uma atitude louvável. Optar por empresas que têm responsabilidade social com o método de adquirir a matéria-prima e produzí-la e encaminhá-la até nós, consumidores e consumidoras finais, é uma possibilidade.


Imagem de Drooker


Para quem tem smartphone, a tarefa está ficando mais simples. Foi criado o App Buycott, em que as pessoas usuárias podem criar uma campanha, como Palestina Livre, e adquirir produtos que contribuem com a População Palestina ou, ao contrário, que financiam o armamento das tropas de Israel e, assim, evitar produtos. Várias campanhas já estão no aplicativo e qualquer pessoa pode criar uma nova campanha e adicionar um novo produto.

Uma vez instalado o App, é apenas necessário que a usuária clique no botão de código de barras e ele irá tentar focar no código de barras do produto através de sua câmera, assim, direcionará para uma nova página em que será gravado 1) a marca do produto; 2) o nome; 3) a companhia. Vários produtos já estão cadastrados e, então, a companhia já estará lá. Testei com um produto da Nestlé e direcionou para a campanha: "Você boicota este produto pela exploração da água".

Uma outra forma de consumir de maneira consciente e sustentável é privilegiar os produtos regionais. Há várias marcas e lojas de tanto na área de alimentação, quanto na de comércio de roupas, brinquedos e outros. Na alimentação, inclusive, ir às feiras de bairros é uma ótima opção, pois também podem ser encontrados produtos mais em conta. Dia desses vou fazer uma pesquisa de preço para comparar.

Em Goiânia, há algumas ótimas lojas de roupas de novas e novos estilistas que estão sempre acompanhando o que é produzido na moda internacional, mas que tem compromisso com a produção sustentável, como a Casulo Moda Coletiva. Mas, outro dia escrevo sobre isso. :)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

discussões da sociologia e psicologia #resumo

No centro destes capítulos estão: Lazarsfeld (sociologia) Lewin (psicologia) Seguindo os ânimos do capítulo anterior, senti que Heims continuou mostrando sua posição política nestes últimos capítulo - sutilmente. Ao iniciar o capítulo 8 com a frase "cybernetic ideas can be applied in the most diverse ideological context" ele anuncia o que está por vir. Os dois capítulos, assim como os anteriores, são separados por grupos de elite, que geralmente variam com temas focados em dois participantes com outros como satélites. No primeiro (8), temos um panorama geral das situações políticas nos Estados Unidos, os esforços, já anunciados, de intervenção governamentas dentro da produção acadêmica, levando, em alguns casos, à paralização da atividade acadêmica. Enquanto os encontro Macy não se abriam para as pessoas que pesquisam em torno de soluções para os problemas sociais relacionados ao racismo, ao anticomunismo, entre outros, houve uma discreta migração de pesquisadores qu

The Cybernetics Group - #resumo

Não foi fácil encontrar imagens de Heims, inclusive, esta foi a única que encontrei. As informações pessoais também vieram de apenas dois websites, que estão linkadas nesta apresentação. De acordo com a KeyWiki , Heims fugiu da Alemanha nazista para os Estados Unidos, onde conheceu sua esposa com a qual teve uma filha, a jornalista Leila McDowell-Head que, apoiada pelo seu pai, fez parte do Partido dos Pantera Negra. Segundo Wikipedia, os Pantera Negra tinha como finalidade original da organização era patrulhar guetos negros para proteger os residentes dos atos de brutalidade da polícia. Posteriormente, os Panteras Negras tornaram-se um grupo revolucionário marxista que defendia o armamento de todos os negros, a isenção dos negros de pagamento de impostos e de todas as sanções da chamada "América Branca", a libertação de todos os negros da cadeia e o pagamento de indenizações aos negros por "séculos de exploração branca". A ala mais radical do movimento defendia

A rainha do código #tradução

Grace Hopper (Reprodução: Internet) Você provavelmente não conhece o nome Grace Hopper, mas deveria. Como uma contra-almirante da marinha dos Estados Unidos, Hopper trabalhou no primeiro computador, o Mark 1 de Harvard . E ela liderou o time que criou o primeiro compilador , que levou a criação da COBOL , uma linguagem de programação que até os anos 2000 representava 70% de todo o código ativamente usado. Morreu em 1992, deixando para trás um inimitável legado como brilhante programadora e como mulher pioneira em um campo dominado por homens. A história de Hopper é contada em "A Rainha do Código", dirigido por Gillian Jacobs (do famoso " Community "). Tradução do seguinte texto: The Queen of Code , escrito por Allison McCann.