Pular para o conteúdo principal

staying with the trouble

Staying with the trouble [1] é um termo que eu gosto bastante, me lembra um pouco que o mundo é uma merda, mas que temos que aprender a lidar com ele (e, se possível, transformá-lo). Essa expressão, na verdade, aprendi lendo textos e vendo vídeos de Donna Haraway, autora que tanto aprecio.

Hoje, assistindo Se7en - os setes pecados capitais, me lembrei bem desse termo.




"Vale a pena lutar por ele". Essa é a questão, staying with the trouble significa que reconhecemos que temos um problema, a questão, neste ponto, é individual, vale a pena lutar por ele? No antropoceno, a tendência é acreditar que estamos fadados ao fracasso, à destruição em massa, desnutrição, inanição. Como já predizem as mais variadas ficções científicas (FC) sobre androides (que querem destruir a humanidade, antes que ela destrua todo o resto, inclusive, ela mesma).

Eu tendo a ser tão fatalista quanto os androides da FC. Quem, neste mundo, pode acreditar que vale a pena continuar a reproduzir a humanidade (procriação) diante tanta desgraça?


 

Eu, realmente, não sei. Não sei, também, se um dia posso mudar de ideia. Espero que não, pois sei que seria egoísmo.

Ademais, deixo apenas Donna Haraway, especificando as condições de seu staying with the trouble.  Vale avisar que o texto é bastante confuso. Haraway sempre mistura suas ideias vindas de outros escritos, como também adiciona analogias às literaturas fictícias, ou teorias da filosofia e biologia. Além disso, é importante lembrar que ela está sempre procurando falar de suas espécies companheiras - sendo ecofeminista - e sobre mulheres, em especial, as indígenas, chicanas, do movimento negro, latinas, etc. Neste caso, é preciso expor que ela busca falar sobre as mulheres que sustentam o capitalismo e são oprimidas por ele (como as imigrantes que trabalham em subempregos nos Estados Unidos, ou em grandes empresas têxteis, em condições análogas à escravidão, ou no Vale do Silício ou outras empresas de tecnologias). As espécies companheiras são, também, os animais domésticos, mas outras espécies que cedem (obrigatoriamente) seus corpos para testes biológicos em vista de evitar problemas para a humanidade - na produção de fármacos, perfumes, shampoos, etc.



"Staying with the Trouble" reivindica trabalhar com duas ontológicas, éticas e ecológicas camas-de-gato das espécies companheiras: 1) as pessoas e outros criaturas do Projeto de Carneiros Navajo (Navajo Sheep Project) que trazem os churros da ibéricos (Iberian Churro) para muitas alianças mundiais inesperadas e conflituosas; e 2) o rápido crescimento mundial do século XXI de galinhas urbanas (frangos) e, especialmente, as mulheres e outras pessoas que dependem e trabalham com elas na Grande Caborone, Botswana, Missoula, Montana e Santa Cruz e os Condados de Monterey, California. Meu foco será trabalhar na relação mundial humano-animal [humananimal worlding] - trabalhando em ambos sentidos, "ficar ligado" [2] e "trabalhando". As zonas de contato multiespécies dessas histórias são onde as ferramentas herdam o trabalho de modo a deixar, forjadamente, o mundo mais tranquilo [3]. A cama de gato é um jogo de padrões de afinidade, de uma mão segurando a esperar receber algo novo da outra [mão], e, em seguida, recebendo algo novo, e propondo outro nó. Cama de gato pode ser jogado por muitos, por todos os tipos de membros [do corpo], enquanto o ritmo de aceitar e receber é sustentado. Estudar também é assim; é passar em voltas e novelos que requerem paixão e ação, se apegar e mover, ancorar e lançar. 

Donna Haraway é Professora e Coordenadora do programa de História da Consciência na UC Santa Cruz.

[1] Na verdade, o uso da expressão está mais relacionado a pesquisa de Donna Haraway. Eu estou 'informalizando' aqui. Staying with the trouble, de Haraway, está intimamente ligado ao ecofeminismo. 
[2] Acredito que, nesta frase, ela quer falar sobre "ter conhecimento" tanto quanto "fazer algo a respeito".
[3] Como testes em animais? 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os primeiros computadores de Harvard eram mulheres #tradução

Minha [grosseira] tradução do seguinte texto: Harvard's first computers were women.

Muito antes do Mark I chegar no campus da Ivy League, era assim que o primeiro laboratório de computadores de Harvard se parecia:



Chamar esse grupo de mulheres brilhantes de analíticas "computadoras" é muito mais amável do que o seu apelido de outrora, Harem de Pickering. O apelido de mau gosto refletia a embaçada consideração pelo intelecto feminino que ecoava entre os líderes da universidade. Em um discurso de 1869, o presidente da Harvard, Charles W. Eliot, reconheceu: "o mundo sabe quase nada sobre as capacidades mentais naturais do sexo feminino".

Mas em 1881, o astronômo Charles Edward Pickering estava cheio/atolado com dados astronômicos coletados através de observações de telescópio assim como das modernas astrofotografias e viu as "naturais capacidades mentais" das mulheres como a solução. Pickering, então, contratou sua governanta Williamina Fleming como sua…

Repair, Value, Breakdown, Obsolescence and Reuse

Valores no Reparo
Lara Houston
Steven J. Jackson
Daniel K. Rosner
Syed Ishtiaque Ahmed
Meg Young
Laewoo Kange

Para continuar falando de reparo, este texto trata de demonstrar quatro exemplos práticos de grupos que trabalham diretamente com reparos de tecnologias, como celulares. A ideia, no entanto, de discutir valores, é enaltecida com o interesse de trabalhar com "the forms and processes of value grounded in the ongoing work of fixing and maintaining the objects and systems around us". Eles estão ligados às infraestruturas que rodeiam as tecnologias e os seres humanos, sendo muitas vezes referenciados como "interação humano-computador".

Essas interações carregam profundas consequências sociais sobre a distribuição de poder, conhecimento e autoridade nas ordens sociais mediadas. Com exemplos que passam pelos Estados Unidos, Bangladesh e Uganda, os autores mostram como os sistemas de valores nas produções industriais e, também, na formação de conhecimento, influenc…

The Cybernetics Group - #resumo

Não foi fácil encontrar imagens de Heims, inclusive, esta foi a única que encontrei. As informações pessoais também vieram de apenas dois websites, que estão linkadas nesta apresentação. De acordo com a KeyWiki, Heims fugiu da Alemanha nazista para os Estados Unidos, onde conheceu sua esposa com a qual teve uma filha, a jornalista Leila McDowell-Head que, apoiada pelo seu pai, fez parte do Partido dos Pantera Negra. Segundo Wikipedia, os Pantera Negra tinha como finalidade original da organização era patrulhar guetos negros para proteger os residentes dos atos de brutalidade da polícia. Posteriormente, os Panteras Negras tornaram-se um grupo revolucionário marxista que defendia o armamento de todos os negros, a isenção dos negros de pagamento de impostos e de todas as sanções da chamada "América Branca", a libertação de todos os negros da cadeia e o pagamento de indenizações aos negros por "séculos de exploração branca". A ala mais radical do movimento defendia a …