Pular para o conteúdo principal

staying with the trouble

Staying with the trouble [1] é um termo que eu gosto bastante, me lembra um pouco que o mundo é uma merda, mas que temos que aprender a lidar com ele (e, se possível, transformá-lo). Essa expressão, na verdade, aprendi lendo textos e vendo vídeos de Donna Haraway, autora que tanto aprecio.

Hoje, assistindo Se7en - os setes pecados capitais, me lembrei bem desse termo.




"Vale a pena lutar por ele". Essa é a questão, staying with the trouble significa que reconhecemos que temos um problema, a questão, neste ponto, é individual, vale a pena lutar por ele? No antropoceno, a tendência é acreditar que estamos fadados ao fracasso, à destruição em massa, desnutrição, inanição. Como já predizem as mais variadas ficções científicas (FC) sobre androides (que querem destruir a humanidade, antes que ela destrua todo o resto, inclusive, ela mesma).

Eu tendo a ser tão fatalista quanto os androides da FC. Quem, neste mundo, pode acreditar que vale a pena continuar a reproduzir a humanidade (procriação) diante tanta desgraça?


 

Eu, realmente, não sei. Não sei, também, se um dia posso mudar de ideia. Espero que não, pois sei que seria egoísmo.

Ademais, deixo apenas Donna Haraway, especificando as condições de seu staying with the trouble.  Vale avisar que o texto é bastante confuso. Haraway sempre mistura suas ideias vindas de outros escritos, como também adiciona analogias às literaturas fictícias, ou teorias da filosofia e biologia. Além disso, é importante lembrar que ela está sempre procurando falar de suas espécies companheiras - sendo ecofeminista - e sobre mulheres, em especial, as indígenas, chicanas, do movimento negro, latinas, etc. Neste caso, é preciso expor que ela busca falar sobre as mulheres que sustentam o capitalismo e são oprimidas por ele (como as imigrantes que trabalham em subempregos nos Estados Unidos, ou em grandes empresas têxteis, em condições análogas à escravidão, ou no Vale do Silício ou outras empresas de tecnologias). As espécies companheiras são, também, os animais domésticos, mas outras espécies que cedem (obrigatoriamente) seus corpos para testes biológicos em vista de evitar problemas para a humanidade - na produção de fármacos, perfumes, shampoos, etc.



"Staying with the Trouble" reivindica trabalhar com duas ontológicas, éticas e ecológicas camas-de-gato das espécies companheiras: 1) as pessoas e outros criaturas do Projeto de Carneiros Navajo (Navajo Sheep Project) que trazem os churros da ibéricos (Iberian Churro) para muitas alianças mundiais inesperadas e conflituosas; e 2) o rápido crescimento mundial do século XXI de galinhas urbanas (frangos) e, especialmente, as mulheres e outras pessoas que dependem e trabalham com elas na Grande Caborone, Botswana, Missoula, Montana e Santa Cruz e os Condados de Monterey, California. Meu foco será trabalhar na relação mundial humano-animal [humananimal worlding] - trabalhando em ambos sentidos, "ficar ligado" [2] e "trabalhando". As zonas de contato multiespécies dessas histórias são onde as ferramentas herdam o trabalho de modo a deixar, forjadamente, o mundo mais tranquilo [3]. A cama de gato é um jogo de padrões de afinidade, de uma mão segurando a esperar receber algo novo da outra [mão], e, em seguida, recebendo algo novo, e propondo outro nó. Cama de gato pode ser jogado por muitos, por todos os tipos de membros [do corpo], enquanto o ritmo de aceitar e receber é sustentado. Estudar também é assim; é passar em voltas e novelos que requerem paixão e ação, se apegar e mover, ancorar e lançar. 

Donna Haraway é Professora e Coordenadora do programa de História da Consciência na UC Santa Cruz.

[1] Na verdade, o uso da expressão está mais relacionado a pesquisa de Donna Haraway. Eu estou 'informalizando' aqui. Staying with the trouble, de Haraway, está intimamente ligado ao ecofeminismo. 
[2] Acredito que, nesta frase, ela quer falar sobre "ter conhecimento" tanto quanto "fazer algo a respeito".
[3] Como testes em animais? 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Repair, Dhaka, Kavango, Paraguai #resumo

Ao som de PJ Harvey. Textos: Designing for Repair? Infrasctructures and Materialities of Breakdown  Daniela K. Rosner, Morgan G. Ames Learning, Innovation, and Sustainability among Mobile Phone Repairers in Dhaka, Bangladesh Steven J. Jackson, Syed Ishtiaque Ahmed, Md. Rashidujjman Rifat Repair Worlds: Maintenance, Repair, and ICT for Development in Rural Namibia Steven J. Jackson, Alex Pompe, Gabriel Krieshok As experiências de Dhaka, Kavango e Paraguai têm elementos comuns e heterogêneos - são espaços permeados por uma historicidade colonizada, marca por tecnologias e economias desfavoráveis quando comparadas aos Estados Unidos. Essa distinção ficou mais marcada nestes textos, que também pareceram ter uma preocupação maior em pensar os artefatos sociotécnicos, as culturas, mundos sociais e formação de fronteiras. Em algum momento, o conhecimento tecnológico também aparece como um espaço de privilégio. É interessante pensar esse espaço de privilégio mesmo quan

A Fundação Macy e a Saúde Mental no Mundo

Considere ler essa conversa entre Bateson e Margaret Mead . :) Margaret Mead: (...) I think the difference between art and science is that each artistic event is unique, whereas in science sooner or later once you get some kind of theory going somebody or other will make the same discovery. Personagens principais deste capítulo: 1. Fremont-Smith, Abramson 2. Fremont-Smith, Mead O capítulo 7 "The Macy Foundation and Worldwide Mental Health" passeia entre os anos 1930 a 1960 e seus investimentos e personagens que permeavam o campo da saúde mental. Ou, melhor, da mente, em geral. Para começar a história, Heims refere-se à fundação da Macy Foundation, datada de 1930, promovida por sua filha Kate Macy Ladd, após um estudo sobre as áreas de pesquisa negligenciadas pelas fundações filantrópicas. O estudo recomenda que os cuidados com a saúde devem ser a preocupação central da fundação. "The study found that 'biochemical and physiological research were receiving f

Os primeiros computadores de Harvard eram mulheres #tradução

Minha [grosseira] tradução do seguinte texto:  Harvard's first computers were women . Muito antes do Mark I chegar no campus da Ivy League, era assim que o primeiro laboratório de computadores de Harvard se parecia: Chamar esse grupo de mulheres brilhantes de analíticas "computadoras" é muito mais amável do que o seu apelido de outrora, Harem de Pickering . O apelido de mau gosto refletia a embaçada consideração pelo intelecto feminino que ecoava entre os líderes da universidade. Em um discurso de 1869, o presidente da Harvard, Charles W. Eliot, reconheceu: "o mundo sabe quase nada sobre as capacidades mentais naturais do sexo feminino". Mas em 1881, o astronômo Charles Edward Pickering estava cheio/atolado com dados astronômicos coletados através de observações de telescópio assim como das modernas astrofotografias e viu as "naturais capacidades mentais" das mulheres como a solução. Pickering, então, contratou sua governanta Williamina F