Pular para o conteúdo principal

staying with the trouble

Staying with the trouble [1] é um termo que eu gosto bastante, me lembra um pouco que o mundo é uma merda, mas que temos que aprender a lidar com ele (e, se possível, transformá-lo). Essa expressão, na verdade, aprendi lendo textos e vendo vídeos de Donna Haraway, autora que tanto aprecio.

Hoje, assistindo Se7en - os setes pecados capitais, me lembrei bem desse termo.




"Vale a pena lutar por ele". Essa é a questão, staying with the trouble significa que reconhecemos que temos um problema, a questão, neste ponto, é individual, vale a pena lutar por ele? No antropoceno, a tendência é acreditar que estamos fadados ao fracasso, à destruição em massa, desnutrição, inanição. Como já predizem as mais variadas ficções científicas (FC) sobre androides (que querem destruir a humanidade, antes que ela destrua todo o resto, inclusive, ela mesma).

Eu tendo a ser tão fatalista quanto os androides da FC. Quem, neste mundo, pode acreditar que vale a pena continuar a reproduzir a humanidade (procriação) diante tanta desgraça?


 

Eu, realmente, não sei. Não sei, também, se um dia posso mudar de ideia. Espero que não, pois sei que seria egoísmo.

Ademais, deixo apenas Donna Haraway, especificando as condições de seu staying with the trouble.  Vale avisar que o texto é bastante confuso. Haraway sempre mistura suas ideias vindas de outros escritos, como também adiciona analogias às literaturas fictícias, ou teorias da filosofia e biologia. Além disso, é importante lembrar que ela está sempre procurando falar de suas espécies companheiras - sendo ecofeminista - e sobre mulheres, em especial, as indígenas, chicanas, do movimento negro, latinas, etc. Neste caso, é preciso expor que ela busca falar sobre as mulheres que sustentam o capitalismo e são oprimidas por ele (como as imigrantes que trabalham em subempregos nos Estados Unidos, ou em grandes empresas têxteis, em condições análogas à escravidão, ou no Vale do Silício ou outras empresas de tecnologias). As espécies companheiras são, também, os animais domésticos, mas outras espécies que cedem (obrigatoriamente) seus corpos para testes biológicos em vista de evitar problemas para a humanidade - na produção de fármacos, perfumes, shampoos, etc.



"Staying with the Trouble" reivindica trabalhar com duas ontológicas, éticas e ecológicas camas-de-gato das espécies companheiras: 1) as pessoas e outros criaturas do Projeto de Carneiros Navajo (Navajo Sheep Project) que trazem os churros da ibéricos (Iberian Churro) para muitas alianças mundiais inesperadas e conflituosas; e 2) o rápido crescimento mundial do século XXI de galinhas urbanas (frangos) e, especialmente, as mulheres e outras pessoas que dependem e trabalham com elas na Grande Caborone, Botswana, Missoula, Montana e Santa Cruz e os Condados de Monterey, California. Meu foco será trabalhar na relação mundial humano-animal [humananimal worlding] - trabalhando em ambos sentidos, "ficar ligado" [2] e "trabalhando". As zonas de contato multiespécies dessas histórias são onde as ferramentas herdam o trabalho de modo a deixar, forjadamente, o mundo mais tranquilo [3]. A cama de gato é um jogo de padrões de afinidade, de uma mão segurando a esperar receber algo novo da outra [mão], e, em seguida, recebendo algo novo, e propondo outro nó. Cama de gato pode ser jogado por muitos, por todos os tipos de membros [do corpo], enquanto o ritmo de aceitar e receber é sustentado. Estudar também é assim; é passar em voltas e novelos que requerem paixão e ação, se apegar e mover, ancorar e lançar. 

Donna Haraway é Professora e Coordenadora do programa de História da Consciência na UC Santa Cruz.

[1] Na verdade, o uso da expressão está mais relacionado a pesquisa de Donna Haraway. Eu estou 'informalizando' aqui. Staying with the trouble, de Haraway, está intimamente ligado ao ecofeminismo. 
[2] Acredito que, nesta frase, ela quer falar sobre "ter conhecimento" tanto quanto "fazer algo a respeito".
[3] Como testes em animais? 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

discussões da sociologia e psicologia #resumo

No centro destes capítulos estão:

Lazarsfeld (sociologia)
Lewin (psicologia)

Seguindo os ânimos do capítulo anterior, senti que Heims continuou mostrando sua posição política nestes últimos capítulo - sutilmente. Ao iniciar o capítulo 8 com a frase "cybernetic ideas can be applied in the most diverse ideological context" ele anuncia o que está por vir.

Os dois capítulos, assim como os anteriores, são separados por grupos de elite, que geralmente variam com temas focados em dois participantes com outros como satélites.

No primeiro (8), temos um panorama geral das situações políticas nos Estados Unidos, os esforços, já anunciados, de intervenção governamentas dentro da produção acadêmica, levando, em alguns casos, à paralização da atividade acadêmica. Enquanto os encontro Macy não se abriam para as pessoas que pesquisam em torno de soluções para os problemas sociais relacionados ao racismo, ao anticomunismo, entre outros, houve uma discreta migração de pesquisadores que inco…

recomendados: Donnie Darko #filme

Assista Donnie Darko (tem no netflix!), enigmático e com uma trilha sonora perfeita. (texto raso e com spoilers)



Quando aos dezesseis assisti Donnie Darko pela primeira vez, cheia de marra, deixei de aproveitar os momentos brilhantes deste filme de 2001. A trama do filme, na verdade, gira em torno de um livro que se chama A filosofia da viagem no tempo, de Roberta Sparrow (este link explica bem a analogia do livro no filme). A ideia de viagem no tempo nos parece tão absurda que por vezes, até mesmo por haver essa sugestão, é possível achar que se está assistindo uma viagem esquizofrênica do jovem Donald.

A autora do livro, Roberta Sparrow, é representada no filme como a Vovó morte (Gradma Death). Uma senhora de 101 anos que, permanentemente, vai e volta para sua caixa de correios verificar se recebeu uma correspondência - a teoria apresentada é que ela espera uma carta de alguém que fez a viagem no tempo. Assim como esperado, também, no prefácio de seu livro:

Se eu ainda estiver viva …

A revolução vai acontecer na periferia - histórias e experiências do CCS em Vila Isabel

Apresento a vocês o vídeo "Histórias do Centro de Cultura Social - Vila Isabel (RJ)". Esse vídeo é uma edição de entrevistas realizadas para escrever o artigo de final de curso "A revolução vai acontecer na periferia - histórias e experiências do CCS em Vila Isabel", apresentado ao professor Henrique Cukierman, na disciplina de "Tópicos Especiais em Ciência-Tecnologia-Sociedade", do Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e Técnicas e Epistemologia.

Não sou profissional em edição ou gravação de vídeos, por isso peço que relevem a qualidade dos cortes e das gravações desfocadas.

As músicas foram baixadas pela internet e estão disponíveis pelos próprios criadores das mesmas:
FAQ (hip hop instrumental mix) - SoUnDWaVeS
Salva a humanidade - Tom Zé

Entrevistas:
Davi Rodrigues
Maurilio Rodrigues
Beatrice Catarine

Observação: a propaganda que aparece no vídeo é enviada pela gravadora do Tom Zé, porque utilizo um trecho de uma de suas músicas. Não monetizo em …