Pular para o conteúdo principal

p r e p a r a seminário, congresso, virada, primavera

VIRADA FEMINISTA
03 e 04 de setembro de 2016

a resistência que transforma
A Virada Feminista é um esforço coletivo de mulheres militantes, artistas e artistas militantes para promover 24h de cultura feminista na cidade de São Paulo! Inspirada na resistência cotidiana das mulheres, a Virada contará com atividades de dança, cinema, teatro, literatura, internet livre, fotografia, zine, agroecologia, grafite e culinária das 17h às 17h nos dias 3 e 4 de setembro!

PRIMAVERA HACKER
04 de novembro de 2016

Primavera Hacker es un encuentro gratuito en torno a las relaciones entre tecnología, política y prácticas creativas que busca fomentar una mirada disidente de la lógica económica dominante. Concebimos la tecnología no como un objeto neutro, sino como uno que está atravesado en su diseño, desarrollo y uso por decisiones políticas. Si bien históricamente la tecnología ha estado asociada al desarrollo del capitalismo y la explotación que este genera, hoy más que nunca constituye un terreno en disputa en el que es necesario orientar el desarrollo técnico de modo que permita transformar las relaciones sociales y los modos de producción. Creemos relevante reflexionar en torno a prácticas de reapropiación que cuestionan las relaciones de poder que atraviesan la tecnología.

LAVITS
21 de novembro de 2016

Buenos Aires, Argentina. O prazo foi prorrogado e as propostas podem ser enviadas até o dia 19 de agosto, em diferentes modalidades, como: workshops, mostras artísticas, trabalhos e mesas temáticas. O debate central do evento será a discussão ao redor da existência de novos paradigmas da vigilância, fornecendo assim uma visão da temática na América Latina.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Repair, Dhaka, Kavango, Paraguai #resumo

Ao som de PJ Harvey. Textos: Designing for Repair? Infrasctructures and Materialities of Breakdown  Daniela K. Rosner, Morgan G. Ames Learning, Innovation, and Sustainability among Mobile Phone Repairers in Dhaka, Bangladesh Steven J. Jackson, Syed Ishtiaque Ahmed, Md. Rashidujjman Rifat Repair Worlds: Maintenance, Repair, and ICT for Development in Rural Namibia Steven J. Jackson, Alex Pompe, Gabriel Krieshok As experiências de Dhaka, Kavango e Paraguai têm elementos comuns e heterogêneos - são espaços permeados por uma historicidade colonizada, marca por tecnologias e economias desfavoráveis quando comparadas aos Estados Unidos. Essa distinção ficou mais marcada nestes textos, que também pareceram ter uma preocupação maior em pensar os artefatos sociotécnicos, as culturas, mundos sociais e formação de fronteiras. Em algum momento, o conhecimento tecnológico também aparece como um espaço de privilégio. É interessante pensar esse espaço de privilégio mesmo quan

A Fundação Macy e a Saúde Mental no Mundo

Considere ler essa conversa entre Bateson e Margaret Mead . :) Margaret Mead: (...) I think the difference between art and science is that each artistic event is unique, whereas in science sooner or later once you get some kind of theory going somebody or other will make the same discovery. Personagens principais deste capítulo: 1. Fremont-Smith, Abramson 2. Fremont-Smith, Mead O capítulo 7 "The Macy Foundation and Worldwide Mental Health" passeia entre os anos 1930 a 1960 e seus investimentos e personagens que permeavam o campo da saúde mental. Ou, melhor, da mente, em geral. Para começar a história, Heims refere-se à fundação da Macy Foundation, datada de 1930, promovida por sua filha Kate Macy Ladd, após um estudo sobre as áreas de pesquisa negligenciadas pelas fundações filantrópicas. O estudo recomenda que os cuidados com a saúde devem ser a preocupação central da fundação. "The study found that 'biochemical and physiological research were receiving f

Os primeiros computadores de Harvard eram mulheres #tradução

Minha [grosseira] tradução do seguinte texto:  Harvard's first computers were women . Muito antes do Mark I chegar no campus da Ivy League, era assim que o primeiro laboratório de computadores de Harvard se parecia: Chamar esse grupo de mulheres brilhantes de analíticas "computadoras" é muito mais amável do que o seu apelido de outrora, Harem de Pickering . O apelido de mau gosto refletia a embaçada consideração pelo intelecto feminino que ecoava entre os líderes da universidade. Em um discurso de 1869, o presidente da Harvard, Charles W. Eliot, reconheceu: "o mundo sabe quase nada sobre as capacidades mentais naturais do sexo feminino". Mas em 1881, o astronômo Charles Edward Pickering estava cheio/atolado com dados astronômicos coletados através de observações de telescópio assim como das modernas astrofotografias e viu as "naturais capacidades mentais" das mulheres como a solução. Pickering, então, contratou sua governanta Williamina F