Pular para o conteúdo principal

Rethinking Repair #resumo

Steven J. Jackson desenvolve um texto preciso e fácil de ler, com exemplos práticos do que significa um mundo fraturado e porque repensar o reparo/reciclagem é importante na atualidade. O exemplo da Apple, sua saída da EPEAT (e, posteriormente, seu retorno), com tecnologias que não podem ser reutilizadas, melhoradas ou recicladas não poderia ser mais atual, com o desenvolvimento de atuais celulares em que não podemos, por exemplo, comprar uma nova bateria quando a original "vicia". A obsolescência programada é fato consumado de quem vive nas grandes cidades brasileiras - é claro que nossa realidade metropolitana nos faz, por vezes, esquecer  - ou sequer, "ter conhecimento" - que 46,5% da população brasileira não tem acesso à internet (PNAD, 2014); essa outra população, por exemplo, vive mais do reparo, da reciclagem do que nós - cidadãos das grandes cidades - é também, como mencionou o autor, através do "reparo" que a "inovação" pode existir; a inovação, pois, não se sustenta sozinha.

Rethinking Repair 
- Steven J. Jackson

Resumo.

Jackson nos alerta que seu texto sobre repensar o reparo é um exercício de um broken world. É um mundo do pensamento quebrado, fraturado, em colapso; ao invés de um pensamento sobre as inovações, o crescimento e o progresso. É, afinal, outra maneira de olhar para a tecnologia.

Pensamos num mundo 2.0, numa terra que está em volta da Contemporary Information Technology - entremeios de dois períodos paradigmáticos: século XIX, do progresso e da cultura; século XXI, do risco, da incerteza, da fragmentação.

O pensamento do mundo fraturado é normativo e ontológico, mas também é empírico e metodológico, por isso, carrega duas possíveis abordagens: das fragilidades dos mundos em que habitamos - natural, social e tecnológico - e do reconhecimento que muitas histórias e ordens da modernidade estão entrando em colapso. E outra, com uma profunda preocupação, mas, também, apreciação das atividades que estão acontecendo e sendo mantidas: um mundo em contínua desconstrução e reconstrução. Dessa maneira, as duas poderiam ser resumidas em: 1. um mundo fractal, quase em colapso; 2. um mundo em constante reinvenção.

O que sustenta esses dois mundos é o reparo. Várias questões surgem quando falamos de reparo: quem conserta os dispositivos? Quem mantem as infraestruturas? Como as ordens humanas são quebradas e reestruturadas?

A questão perpassa para o fato de que o mundo está sempre se "quebrando", com sua expressão "broken world" - mas essa quebra é produtiva através dos reparos.

Uma demonstração é o avanço do industrialismo/modernidade tardio, com o shipbreaking em Bangladesh  e uma série de fotografias reunidas por Edward Burtynsky: ele retratou este cenário, que é um símbolo da globalização. Os retratos realizados por Burtynsky mostram um lado invisível da globalização: as coisas são feitas, mas elas se quebram. O fato das coisas serem feitas e d'elas quebrarem está em volta com dois outros conceitos muito discutidos em ciências sociais: poder e conhecimento.



"É mais fácil esquecer que as formas de colapso e reparo praticadas nas praias de Bangladesh acontecem no fim de uma distribuição complexa e consequencial, com profundas e complicadas ligações para a fluidez econômica global e suas estruturas: como Doreen Massey (1994) relembra e Burtynsky afirma, algumas estão recebendo mais o fim da globalização do que outras."

A globalização "tardia" - assim como a percepção de que algumas sociedades recebem tecnologias "inovadoras" enquanto outras prevalecem com tecnologias de "reparo" "reciclagem" demonstram uma história secreta do colapso, da exploração, império e globalização que a navegação, literalmente, trouxe. São raízes invisíveis dos sistemas econômicos.

Temos, então, duas faces dos desenvolvimentos tecnológicos: reparo e inovação. A INOVAÇÃO vem primeiro com código dominante; o reparo vem depois, com as falhas e sistemas corrompidos. A inovação está no topo da cadeia de mudança, ligada aos mecanismos econômicos e de valor enquanto REPARO está no outro lado, mais baixo, algo tardio, que vem depois da inovação.

Mas, Jackson alerta, "essa é uma falsa e parcial representação de como o mundo da tecnologia realmente funciona", afinal, a eficácia da inovação no mundo é limitada, ela apenas funciona sendo sustentada e completa pelo reparo.

CONHECIMENTO É PODER

E poder define os critérios de visibilidade e invisibilidade, sendo que a visibilidade garante recompensa e conhecimento. O que o exemplo de Bangladesh nos mostra? Ele nos mostra que o reparo é invisível e que a inovação é visível.

A proposta de Jackson surge com a condição de pensar uma epistemologia do reparo, com conexão com o social - até mesmo variando para perspectivas marxianas, aproximando às noções de trabalho e produção. Essa epistemologia pode revelar relações de valor e trabalho que podem estar invisíveis.

REPARO É CUIDADO
RESPONSABILIDADE

Por que se importar com cuidado? Pesquisadoras e pesquisadores têm argumentado em favor de repensar as relações com os desenvolvimentos tecnológicos - na economia e na política - como a mídia e a tecnologia são produzidas, o que fazem, quem poderes e liberdades produzem e retiram. A linguagem do cuidado faz tudo isso. Alguns autores citados por ele são: Sherry Turkles, Lucy Suchman, N. Katherine Hayles, Bruno Latour e Donna Haraway.

Finalmente, "inovação, conhecimento/poder e ética do cuidado constituem elementos ou dimensões que faltam na maneira que nós, nos estudos de novas mídias e tecnologias, tipicamente pensamos sobre colapso, manutenção e reparo". Mas eles também levantam desafios a serem questionados e repensados em uma cenário de política da tecnologia. É preciso pensar em como essas ferramentas que constituem esse mundo quebrado/fraturado e o que é preciso ser feito a respeito delas - a respeito do cuidado, do reparo, da reciclagem, etc. Uma série de possibilidades (5) de discussões é apresentada pelo autor (vou pular essa parte).

Para fechar com uma chave de ouro, uma nota de Walter Benjamin sobre o quadro Paul Klees Angelus Novus em "Teses Sobre o Conceito de História" e o retrato da sociedade do progresso (uma citação incrível):



"Há um quadro de Klee que se chama Angelus Novus. Representa um anjo que parece querer afastar-se de algo que ele encara fixamente. Seus olhos estão escancarados, sua boca dilatada, suas asas abertas. O anjo da história deve ter esse aspecto. Seu rosto está dirigido para o passado. Onde nós vemos uma cadeia de acontecimentos, ele vê uma catástrofe única, que acumula incansavelmente ruína sobre ruína e as dispersa a nossos pés. Ele gostaria de deter-se para acordar os mortos e juntar os fragmentos. Mas uma tempestade sopra do paraíso e prende-se em suas asas com tanta força que ele não pode mais fechá-las. Essa tempestade o impele irresistivelmente para o futuro, ao qual ele vira as costas, enquanto o amontoado de ruínas cresce até o céu. Essa tempestade é o que chamamos progresso."

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Fundação Macy e a Saúde Mental no Mundo

Considere ler essa conversa entre Bateson e Margaret Mead. :)

Margaret Mead: (...) I think the difference between art and science is that each artistic event is unique, whereas in science sooner or later once you get some kind of theory going somebody or other will make the same discovery.

Personagens principais deste capítulo:
1. Fremont-Smith, Abramson
2. Fremont-Smith, Mead

O capítulo 7 "The Macy Foundation and Worldwide Mental Health" passeia entre os anos 1930 a 1960 e seus investimentos e personagens que permeavam o campo da saúde mental. Ou, melhor, da mente, em geral.

Para começar a história, Heims refere-se à fundação da Macy Foundation, datada de 1930, promovida por sua filha Kate Macy Ladd, após um estudo sobre as áreas de pesquisa negligenciadas pelas fundações filantrópicas. O estudo recomenda que os cuidados com a saúde devem ser a preocupação central da fundação. "The study found that 'biochemical and physiological research were receiving far more att…

A revolução vai acontecer na periferia - histórias e experiências do CCS em Vila Isabel

Apresento a vocês o vídeo "Histórias do Centro de Cultura Social - Vila Isabel (RJ)". Esse vídeo é uma edição de entrevistas realizadas para escrever o artigo de final de curso "A revolução vai acontecer na periferia - histórias e experiências do CCS em Vila Isabel", apresentado ao professor Henrique Cukierman, na disciplina de "Tópicos Especiais em Ciência-Tecnologia-Sociedade", do Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e Técnicas e Epistemologia.

Não sou profissional em edição ou gravação de vídeos, por isso peço que relevem a qualidade dos cortes e das gravações desfocadas.

As músicas foram baixadas pela internet e estão disponíveis pelos próprios criadores das mesmas:
FAQ (hip hop instrumental mix) - SoUnDWaVeS
Salva a humanidade - Tom Zé

Entrevistas:
Davi Rodrigues
Maurilio Rodrigues
Beatrice Catarine

Observação: a propaganda que aparece no vídeo é enviada pela gravadora do Tom Zé, porque utilizo um trecho de uma de suas músicas. Não monetizo em …

Repair, Dhaka, Kavango, Paraguai #resumo

Ao som de PJ Harvey.


Textos:
Designing for Repair? Infrasctructures and Materialities of Breakdown 
Daniela K. Rosner, Morgan G. Ames

Learning, Innovation, and Sustainability among Mobile Phone Repairers in Dhaka, Bangladesh
Steven J. Jackson, Syed Ishtiaque Ahmed, Md. Rashidujjman Rifat

Repair Worlds: Maintenance, Repair, and ICT for Development in Rural Namibia
Steven J. Jackson, Alex Pompe, Gabriel Krieshok

As experiências de Dhaka, Kavango e Paraguai têm elementos comuns e heterogêneos - são espaços permeados por uma historicidade colonizada, marca por tecnologias e economias desfavoráveis quando comparadas aos Estados Unidos. Essa distinção ficou mais marcada nestes textos, que também pareceram ter uma preocupação maior em pensar os artefatos sociotécnicos, as culturas, mundos sociais e formação de fronteiras. Em algum momento, o conhecimento tecnológico também aparece como um espaço de privilégio.

É interessante pensar esse espaço de privilégio mesmo quando as pessoas ret…