Pular para o conteúdo principal

Parceria entre Mozilla e ONU Mulheres para empoderamento feminino digital

Uma parceria da Mozilla com a ONU para empoderar mulheres em questões digitais na África está sendo desenvolvida. O projeto procura promover esse empoderamento para diminuir as desigualdades de gênero e geográficas, acreditando que a web é um espaço propício para grande oportunidades, especialmente, na promoção de igualdade. O projeto, que já passou pela Índia, Indonésia e Brasil, deve corre até o fim de 2016, como segue no trecho do texto traduzido diretamente deste website.

Tradução/Translation

A internet é mais poderosa quando qualquer pessoa - independente do gênero ou geografia - pode participar igualmente. Uma web verdadeiramente aberta deve abrir oportunidades educacionais, econômicas e cívicas para todas as pessoas, em todos os lugares. Motivados por essa crença principal, Mozilla e ONU Mulheres - uma entidade das Nações Unidas dedicada ao empoderamento de mulheres estão se juntando para ensinar habilidades digitais para garotas e mulheres em Nairobi, Kênia e Cape Town, na África do Sul. Nosso objetivo: melhorar a vida das mulheres na África, aproveitando o poder na internet aberta.

O que também direciona o nosso trabalho é uma estatística preocupante: enquanto mais de 3 bilhões de pessoas estão conectadas online, pesquisas indicam que há 200 milhões menos mulheres on-line nos países em  desenvolvimento e 300 milhões menos mulheres possuem celular. Para começar a mudar esses números para melhor, nós podemos empoderar mulheres em suas vidas como cidadãs digitais.

Para fazer isso, Mozilla e ONU Mulheres vão trabalhar juntas com educadores locais, organizações e residentes para construir uma rede de clubes de alfabetização web que promovam aprendizado em pares, ensinando nossas participantes como colaborar umas com as outras e, significativamente, participar online. Esses grupos vão seguir o modelo Mozilla Club, se encontrando regularmente e pessoalmente. Eles vão desenhar um currículo compreensível que encubra tópicos como navegação Web; criação de conteúdo; programação; direitos online; privacidade e segurança; e conectar oportunidades ligadas à liderança das mulheres, participação cívica e empoderamento econômico. Também haverá um desenvolvimento de um novo currículo em questões específicas para mulheres na web, guias de facilitação de engajamento de grupos exclusivos para mulheres e um aplicativo para dispositivos móveis que permitam a participação e aprendizado contínuo, no programa, de participantes em vários países. Mozilla também treinará líderes no próprio terreno ("on-the-ground") para facilitar esses clubes.

O programa piloto vai arquitetar lições/aulas aprendidas na Índia, Indonésia e Brasil nos anos passados em que foram lançados, testados e desenvolvidos programas do Mozilla Club, para alcançar mais de 170 clubes em mais de 25 países em todo o mundo. Desde o lançamento, os Mozilla Clubs têm visto sucesso em agregar comunidades em torno de colaboração, desenvolvimento profissional e web aberta.

Mozilla community members in Kenya. Photo by Laura de Reynal.
Mozilla community members in Kenya. Photo by Laura de Reynal.

Esse programa piloto vai acontecer até o fim de 2016 e  arquitetar nas comunidades Mozilla existentes de educadores, aprendizes e defensores da internet aberta em duas regiões. Enquanto também estará conectando o trabalho e as lideranças para comunidade Mozilla (maior) e engajando eles em outros países africanos para que o movimento continue a crescer.

(...)

Para saber mais sobre os Mozilla Clubs, visite:  teach.mozilla.org/clubs.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os primeiros computadores de Harvard eram mulheres #tradução

Minha [grosseira] tradução do seguinte texto: Harvard's first computers were women.

Muito antes do Mark I chegar no campus da Ivy League, era assim que o primeiro laboratório de computadores de Harvard se parecia:



Chamar esse grupo de mulheres brilhantes de analíticas "computadoras" é muito mais amável do que o seu apelido de outrora, Harem de Pickering. O apelido de mau gosto refletia a embaçada consideração pelo intelecto feminino que ecoava entre os líderes da universidade. Em um discurso de 1869, o presidente da Harvard, Charles W. Eliot, reconheceu: "o mundo sabe quase nada sobre as capacidades mentais naturais do sexo feminino".

Mas em 1881, o astronômo Charles Edward Pickering estava cheio/atolado com dados astronômicos coletados através de observações de telescópio assim como das modernas astrofotografias e viu as "naturais capacidades mentais" das mulheres como a solução. Pickering, então, contratou sua governanta Williamina Fleming como sua…

Repair, Value, Breakdown, Obsolescence and Reuse

Valores no Reparo
Lara Houston
Steven J. Jackson
Daniel K. Rosner
Syed Ishtiaque Ahmed
Meg Young
Laewoo Kange

Para continuar falando de reparo, este texto trata de demonstrar quatro exemplos práticos de grupos que trabalham diretamente com reparos de tecnologias, como celulares. A ideia, no entanto, de discutir valores, é enaltecida com o interesse de trabalhar com "the forms and processes of value grounded in the ongoing work of fixing and maintaining the objects and systems around us". Eles estão ligados às infraestruturas que rodeiam as tecnologias e os seres humanos, sendo muitas vezes referenciados como "interação humano-computador".

Essas interações carregam profundas consequências sociais sobre a distribuição de poder, conhecimento e autoridade nas ordens sociais mediadas. Com exemplos que passam pelos Estados Unidos, Bangladesh e Uganda, os autores mostram como os sistemas de valores nas produções industriais e, também, na formação de conhecimento, influenc…

The Cybernetics Group - #resumo

Não foi fácil encontrar imagens de Heims, inclusive, esta foi a única que encontrei. As informações pessoais também vieram de apenas dois websites, que estão linkadas nesta apresentação. De acordo com a KeyWiki, Heims fugiu da Alemanha nazista para os Estados Unidos, onde conheceu sua esposa com a qual teve uma filha, a jornalista Leila McDowell-Head que, apoiada pelo seu pai, fez parte do Partido dos Pantera Negra. Segundo Wikipedia, os Pantera Negra tinha como finalidade original da organização era patrulhar guetos negros para proteger os residentes dos atos de brutalidade da polícia. Posteriormente, os Panteras Negras tornaram-se um grupo revolucionário marxista que defendia o armamento de todos os negros, a isenção dos negros de pagamento de impostos e de todas as sanções da chamada "América Branca", a libertação de todos os negros da cadeia e o pagamento de indenizações aos negros por "séculos de exploração branca". A ala mais radical do movimento defendia a …