Pular para o conteúdo principal

Parceria entre Mozilla e ONU Mulheres para empoderamento feminino digital

Uma parceria da Mozilla com a ONU para empoderar mulheres em questões digitais na África está sendo desenvolvida. O projeto procura promover esse empoderamento para diminuir as desigualdades de gênero e geográficas, acreditando que a web é um espaço propício para grande oportunidades, especialmente, na promoção de igualdade. O projeto, que já passou pela Índia, Indonésia e Brasil, deve corre até o fim de 2016, como segue no trecho do texto traduzido diretamente deste website.

Tradução/Translation

A internet é mais poderosa quando qualquer pessoa - independente do gênero ou geografia - pode participar igualmente. Uma web verdadeiramente aberta deve abrir oportunidades educacionais, econômicas e cívicas para todas as pessoas, em todos os lugares. Motivados por essa crença principal, Mozilla e ONU Mulheres - uma entidade das Nações Unidas dedicada ao empoderamento de mulheres estão se juntando para ensinar habilidades digitais para garotas e mulheres em Nairobi, Kênia e Cape Town, na África do Sul. Nosso objetivo: melhorar a vida das mulheres na África, aproveitando o poder na internet aberta.

O que também direciona o nosso trabalho é uma estatística preocupante: enquanto mais de 3 bilhões de pessoas estão conectadas online, pesquisas indicam que há 200 milhões menos mulheres on-line nos países em  desenvolvimento e 300 milhões menos mulheres possuem celular. Para começar a mudar esses números para melhor, nós podemos empoderar mulheres em suas vidas como cidadãs digitais.

Para fazer isso, Mozilla e ONU Mulheres vão trabalhar juntas com educadores locais, organizações e residentes para construir uma rede de clubes de alfabetização web que promovam aprendizado em pares, ensinando nossas participantes como colaborar umas com as outras e, significativamente, participar online. Esses grupos vão seguir o modelo Mozilla Club, se encontrando regularmente e pessoalmente. Eles vão desenhar um currículo compreensível que encubra tópicos como navegação Web; criação de conteúdo; programação; direitos online; privacidade e segurança; e conectar oportunidades ligadas à liderança das mulheres, participação cívica e empoderamento econômico. Também haverá um desenvolvimento de um novo currículo em questões específicas para mulheres na web, guias de facilitação de engajamento de grupos exclusivos para mulheres e um aplicativo para dispositivos móveis que permitam a participação e aprendizado contínuo, no programa, de participantes em vários países. Mozilla também treinará líderes no próprio terreno ("on-the-ground") para facilitar esses clubes.

O programa piloto vai arquitetar lições/aulas aprendidas na Índia, Indonésia e Brasil nos anos passados em que foram lançados, testados e desenvolvidos programas do Mozilla Club, para alcançar mais de 170 clubes em mais de 25 países em todo o mundo. Desde o lançamento, os Mozilla Clubs têm visto sucesso em agregar comunidades em torno de colaboração, desenvolvimento profissional e web aberta.

Mozilla community members in Kenya. Photo by Laura de Reynal.
Mozilla community members in Kenya. Photo by Laura de Reynal.

Esse programa piloto vai acontecer até o fim de 2016 e  arquitetar nas comunidades Mozilla existentes de educadores, aprendizes e defensores da internet aberta em duas regiões. Enquanto também estará conectando o trabalho e as lideranças para comunidade Mozilla (maior) e engajando eles em outros países africanos para que o movimento continue a crescer.

(...)

Para saber mais sobre os Mozilla Clubs, visite:  teach.mozilla.org/clubs.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

discussões da sociologia e psicologia #resumo

No centro destes capítulos estão:

Lazarsfeld (sociologia)
Lewin (psicologia)

Seguindo os ânimos do capítulo anterior, senti que Heims continuou mostrando sua posição política nestes últimos capítulo - sutilmente. Ao iniciar o capítulo 8 com a frase "cybernetic ideas can be applied in the most diverse ideological context" ele anuncia o que está por vir.

Os dois capítulos, assim como os anteriores, são separados por grupos de elite, que geralmente variam com temas focados em dois participantes com outros como satélites.

No primeiro (8), temos um panorama geral das situações políticas nos Estados Unidos, os esforços, já anunciados, de intervenção governamentas dentro da produção acadêmica, levando, em alguns casos, à paralização da atividade acadêmica. Enquanto os encontro Macy não se abriam para as pessoas que pesquisam em torno de soluções para os problemas sociais relacionados ao racismo, ao anticomunismo, entre outros, houve uma discreta migração de pesquisadores que inco…

Repair, Dhaka, Kavango, Paraguai #resumo

Ao som de PJ Harvey.


Textos:
Designing for Repair? Infrasctructures and Materialities of Breakdown 
Daniela K. Rosner, Morgan G. Ames

Learning, Innovation, and Sustainability among Mobile Phone Repairers in Dhaka, Bangladesh
Steven J. Jackson, Syed Ishtiaque Ahmed, Md. Rashidujjman Rifat

Repair Worlds: Maintenance, Repair, and ICT for Development in Rural Namibia
Steven J. Jackson, Alex Pompe, Gabriel Krieshok

As experiências de Dhaka, Kavango e Paraguai têm elementos comuns e heterogêneos - são espaços permeados por uma historicidade colonizada, marca por tecnologias e economias desfavoráveis quando comparadas aos Estados Unidos. Essa distinção ficou mais marcada nestes textos, que também pareceram ter uma preocupação maior em pensar os artefatos sociotécnicos, as culturas, mundos sociais e formação de fronteiras. Em algum momento, o conhecimento tecnológico também aparece como um espaço de privilégio.

É interessante pensar esse espaço de privilégio mesmo quando as pessoas ret…

The Cybernetics Group - #resumo

Não foi fácil encontrar imagens de Heims, inclusive, esta foi a única que encontrei. As informações pessoais também vieram de apenas dois websites, que estão linkadas nesta apresentação. De acordo com a KeyWiki, Heims fugiu da Alemanha nazista para os Estados Unidos, onde conheceu sua esposa com a qual teve uma filha, a jornalista Leila McDowell-Head que, apoiada pelo seu pai, fez parte do Partido dos Pantera Negra. Segundo Wikipedia, os Pantera Negra tinha como finalidade original da organização era patrulhar guetos negros para proteger os residentes dos atos de brutalidade da polícia. Posteriormente, os Panteras Negras tornaram-se um grupo revolucionário marxista que defendia o armamento de todos os negros, a isenção dos negros de pagamento de impostos e de todas as sanções da chamada "América Branca", a libertação de todos os negros da cadeia e o pagamento de indenizações aos negros por "séculos de exploração branca". A ala mais radical do movimento defendia a …