Pular para o conteúdo principal

The Cybernetics Group #tradução

Prefácio

O tema deste livro, nas séries das conferências multidisciplinares, mantida pela Fundação Macy e realizada entre 1946 e 1953, discute um amplo conjunto de tópico que eventualmente foram chamados de cibernéticos. Vindo como resultado da Segunda Guerra Mundial, quando os avanços científicos e técnicos dos anos de guerra - por exemplo, a proposta-geral moderna do computador e os modelos baseados nela - estavam apenas se tornando moeda pública, a série de conferências teve um papel histórico significante no desenvolvimento das ciências humanas e naturais nos Estados Unidos.

As conferências cibernéticas e eventos concomitantes formam uma história complexa, e eu tentei incluir uma pequena porção delas neste livro. Eu escolhi focar nos pesquisadores/as da psicologia, antropologia, sociologia e psiquiatria ao invés de engenheiros, biólogos e matemáticos.

Para o livro ser visto com sua própria luz, eu preciso dizer algo sobre o processo de escrita e minha relação com o próprio tema. Mais de vinte anos atrás, como físico durante a era da Guerra no Vietnã, eu senti a necessidade de ganhar uma perspectiva maior na prática de ciências e a direção que elas tomarão no mundo pós-guerra. Meu método foi duplo: aprender mais sobre o que as pessoas em outros, mas relacionados, departamentos acadêmicos - antropologia, biologia, psicologia, matemática - estavam fazendo para reconhecer que a ciência é uma atividade humana, e não apenas um corpo de conhecimento. Durante este período os procedimentos de publicação das conferências cibernéticas caíram nas minhas mãos e, desde então, muitas das disciplinas eram representadas pelos participantes, um estudo histórico desses encontros pareceu uma boa maneira de concentrar minha própria investigação.

Eu decidi que poderia valer a pena perseguir meu estudo na forma de um livro, mas eu rapidamente vi que eu ainda não estava pronto para negociar com o grande elenco e a variedade de disciplinas envolvidas. Eu me contentei em escrever um livre sobre apenas dois dos participantes, os matemáticos John von Neumann e Norbert Wiener. Quando o livro estava pronto, no entanto, eu me senti encorajado a começar a trabalhar com o grupo de cientistas sociais que estiveram nos encontros. Aqui, eu devo adicionar um aviso: eu não pratiquei sociologia, psicologia, economia, psiquiatria ou antropologia e, consequentemente, eu estou olhando para estes campos como um forasteiro (outsider). Meu principal interesse é no que as pessoas que eu falo sobre parecem ter sentido sobre o hoje. Tal perspectiva forasteira  pode promover novos conhecimentos [insights], porque ela contorna as premissas e práticas compartilhadas com uma disciplina (lembre-se de Alexis de Tocqueville escrevendo na America),  mas também, inevitavelmente, leva a encobrir muitos detalhes e pontos técnicos importantes. Para tentar evitar maiores desentendimentos, eu consultei especialistas das disciplinas que eu falo sobre. Esse livro, no entanto, não tem a intenção de ser uma fonte de informação de detalhes técnicos. Talvez, ele seja melhor caracterizado como o resultado de uma examinação histórica pessoal e interpretação de porções de séries de conferências muito interessantes e seus participantes.

Um dos meus primeiros passos foi contactar a maior parte de participantes que eu pudesse. Muitos, infelizmente, não estão mais vivos. Eu comecei a ler os escritos publicados por eles, as vendo como contribuições para "progresso" nas suas disciplinas específicas. Eu também peguei qualquer informação biográfica que estivesse disponível. Mas isso não funcionou. Muito do que é chamado de ciência social não estava convincente, para mim, como ciência em qualquer sentido tradicional. Na verdade, alguma delas pareciam ter apenas um fino verniz científico, o qual, aparentemente, foi suficiente para mantê-la aceitável. Além disso, como eu escrevi, eu percebi que meu estudo estava se tornando centrífugo; ele, simplesmente, não tinha coerência. Alguma coisa estava errada com a minha abordagem. Frustrado, eu coloquei minha escrita de lado.

Quando eu retornei ao projeto alguns anos depois, eu fui até o tema de maneira diferente, provavelmente porque eu tinha encontrado mudanças de atitudes entre historiados e sociólogos da ciência. Ao invés de tentar rever as contribuições específicas dos indivíduos, eu comecei a olhar os campos como um todo e explorar o papel de grupos de elite nos campos, grupos que compartilharam suposições e consensos sobre o que é válido e valoroso estabelecer nas prioridades do campo e guiar a direção da pesquisa (incluindo quem tem fundos, o que é publicado, etc). Deste ponto de vista, conversas e discussões, incluindo aqueles no centro deste livro e alguns na periferia, tiveram grande significância. Agora eu vejo que o diálogo entre pesquisadores pode servir como um princípio de organização para o meu estudo. Com esse foco, o material que eu havia recolhido começou a cair em padrões discerníveis, aparentemente, naturais. Nas várias junções deste livro, onde eu tinha os dados, eu pude ser específico, concreto e explícito na descrição de instâncias de como o processo da ciência funciona.

As duas formas de "background" (plano de fundo) presumidas nas conferências, às vezes, as empurram para o primeiro plano como influências no trabalho científico. Nessas condições políticas gerais, nos Estados Unidos, neste momento - na altura da Guerra Fria - e, mais especificamente, as condições gerais das ciências naturais e sociais. Capítulo 1 descrede essas circunstâncias. O momento são os interesses intelectuais que cada conferência trouxe para o primeiro encontro. O Capítulo 2 é uma pesquisa sistemática desses planos de fundo. Um leitor que não gosta de preliminares deve começar pelo capítulo 3. Eu espero, no entanto, que mais cedo ou mais tarde ele seja impelido a voltar para os dois capítulos para orientação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os primeiros computadores de Harvard eram mulheres #tradução

Minha [grosseira] tradução do seguinte texto:  Harvard's first computers were women . Muito antes do Mark I chegar no campus da Ivy League, era assim que o primeiro laboratório de computadores de Harvard se parecia: Chamar esse grupo de mulheres brilhantes de analíticas "computadoras" é muito mais amável do que o seu apelido de outrora, Harem de Pickering . O apelido de mau gosto refletia a embaçada consideração pelo intelecto feminino que ecoava entre os líderes da universidade. Em um discurso de 1869, o presidente da Harvard, Charles W. Eliot, reconheceu: "o mundo sabe quase nada sobre as capacidades mentais naturais do sexo feminino". Mas em 1881, o astronômo Charles Edward Pickering estava cheio/atolado com dados astronômicos coletados através de observações de telescópio assim como das modernas astrofotografias e viu as "naturais capacidades mentais" das mulheres como a solução. Pickering, então, contratou sua governanta Williamina F

Repair, Value, Breakdown, Obsolescence and Reuse

Valores no Reparo Lara Houston Steven J. Jackson Daniel K. Rosner Syed Ishtiaque Ahmed Meg Young Laewoo Kange Para continuar falando de reparo, este texto trata de demonstrar quatro exemplos práticos de grupos que trabalham diretamente com reparos de tecnologias, como celulares. A ideia, no entanto, de discutir valores, é enaltecida com o interesse de trabalhar com " the forms and processes of value grounded in the ongoing work of fixing and maintaining the objects and systems around us ". Eles estão ligados às infraestruturas que rodeiam as tecnologias e os seres humanos, sendo muitas vezes referenciados como "interação humano-computador". Essas interações carregam profundas consequências sociais sobre a distribuição de poder, conhecimento e autoridade nas ordens sociais mediadas. Com exemplos que passam pelos Estados Unidos, Bangladesh e Uganda, os autores mostram como os sistemas de valores nas produções industriais e, também, na formação de conheciment

PROPÓSITO RECS MEETS EVOÉ

Nesta sexta-feira, acontece uma apresentação da parceria do selo Propósito Recs com o Café Evoé, que fica no Centro de Goiânia. O nome do evento é Propósito Recs meets Evoé apresentam: Ceccato e a bicicleta . O projeto promete outras sessões em breve. Em apresentação única, Lucas Ceccato e Antônio Meira proporcionarão cerca de 1h30 de música no café/sebo central! Conheça mais sobre o Lucas Ceccato aqui , e veja um pouco de Antônio Meira nesta apresentação que gravei em uma Sessão de Improviso realizada pela Propósito . Onde: Evoé Café com Livros, Centro, Rua 3 com Rua 6, Galeria Central, Sala 20. Quando: 29 de agosto de 2014, sexta-feira, às 17:30 até 19:00. Quanto: Entrada Gratuita.